Archive for June, 2009

Sonegador de impostos deve ser preso?

Tuesday, June 23rd, 2009

A pergunta que não quer calar é a seguinte: um sujeito sonegador de tributos, deveria ser preso, quando descoberto pelo fisco, ainda que se comprometesse a pagar o que deve, com juros e multa?

Para mim a resposta é clara: se o sonegador é contumaz, reincidente, ardiloso e que, de forma manifesta, tenha planejado a sua sonegação por ganância e má-fé, SIM, ele deveria ser preso. Evidente que consideradas as proporções do dano causado ao erário, né?! Isso, para evitar a prisão de “sonegador de galinhas”…..rs…

Esta minha tese, que não é de hoje, contraria os princípios de arrecadação tributária adotados, atualmente, em nosso país. A coisa tem funcionado assim: a pessoa sonega, sonega, sonega e se um dia for pego, paga e fica completamente livre de seu ilícito, uma vez que, para o fisco, perderia a razão de ser, aplicar pena privativa de liberdade a quem pagou o tributo, após ser “convidado” oficialmente a fazê-lo. Tem certo sentido, sim! Mas, por outro lado, isso é um tremendo convite para quem quer ser mais esperto do que aquele contribuinte comum, que paga seus tributos em dia, mesmo sabendo que, nem sempre, terão a devida e necessária destinação.

Fiquei surpreso, todavia, ao ler matéria no Estadão que trata exatamente disso. A turma “boca grande”, da Receita Federal, que até ano passado vinha batendo recordes de arrecadação tributária e o Ministério Público, já está pensando em algo parecido com o ponto de vista que defendo. Em outras palavras, a prosperar esta mudança, vai acabar chegando um momento em que, ficando comprovada a intenção de fraudar o sistema arrecadatório, o “espertão” poderá parar na cadeia e/ou prestar serviços gratuitos à comunidade, além, é claro, do pagamento do que devia com os devidos acréscimos legais. Aí sim, haverá risco de fato para quem sonegar. Aí sim, estaremos falando de uma decisão difícil de ser tomada, considerando prós e contras, ou seja, sonegar ou não?

Literalmente, é pagar para ver….

Veja a matéria na íntegra, aqui.

Ladrão reclama: “…assim não dá!…”

Tuesday, June 16th, 2009

Aposentado viajou e teve a sua casa arrombada pelos “amigos do alheio”. O mais curioso é que não encontrando o que esperava o ladrão deixou um recado pra lá de malcriado, em que reclamava da falta de dinheiro deixado na casa e, ainda, que o velho carro que se encontrava na garagem nem ao menos ligou quando tentaram dar a sua partida. Deve ter sido um verdadeiro caos para o dia de trabalho daquele honesto ladrão.

Para Lula, aquilo que seria uma simples “marola”, tem se mostrado um Tsunami para a maioria da população. Agora, a crise econômica se apresentou também para este crescente segmento de “subtração de bens alheios”. Onde será que vamos parar, não é mesmo!?…rs…

Veja a matéria na íntegra aqui.

Estradas brasileiras, vilãs do turismo interno

Monday, June 15th, 2009

Depois de muito tempo, acabei baixando a guarda e aceitando o convite de amigos para fazermos uma viagem com a família de carro. Resolvemos ir para Teresópolis (RJ), “descansar” na Pousada Urikana (excelente!), com programação de ida à Petrópolis (RJ), para que as crianças pudessem conhecer um pouco de nossa história, principalmente, aquela contada pelo Museu Imperial. Programa simplesmente imperdível, para adultos e crianças!…

A viagem em si, foi ótima! Belas paisagens, ótima história e sensacional companhia de amigos. Além disso, como sempre, uma imersão forçada com a família, sempre favorece o estreitamento destas relações que, no corrido dia-a-dia, sofrem com as nossas ausências.

Mas, a dureza mesmo foi chegar. Tenho horror a dirigir em estrada. Acho, inclusive, um idéia de jerico enfiar a família num carro e viajar por mais de 2 horas. Imagine então 6 horas!? Uma insanidade, considerando o permanente risco que se corre nestas circunstâncias. Mas, tem hora que a gente precisa ser menos intransigente e aceitar a vontade da maioria. Foi o que fiz, caindo na estrada.

Resolvemos curtir o bucolismo das estradas vicinais, sem caminhões e com paisagens lindas durante todo o percurso. Foi aí que fui parar numa estrada criminosa, a RJ-186 transformada em MG-393, especificamente, o trecho compreendido entre Santo Antônio de Pádua (RJ) e Além Paraíba (MG), passando por uma “grota” (com todo respeito) chamada Pirapetinga (MG).

A estrada era só cratera. Consegui me livrar enquanto foi possível, até que passei por um trecho que, dada uma certa combinação de fatores, tecnicamente conhecido como “azar fudido”, não tive como evitar o pior. Isso me custou dois (eu disse dois!) pneus rasgados e duas rodas de liga leve empenadas (ambos do lado direito do veículo). Foram quase três horas parado na estrada à noite e com duas crianças no carro perguntando se ia demorar, a cada 5 minutos. O estresse era tão grande que nem foi possível aproveitar aquele céu estrelado, que se apresentava majestoso sobre nós…rs…

Não fosse a rapidez e boa vontade de um casal amigo que viajava conosco em outro carro, talvez, tivéssemos ficado o dobro do tempo parado ali, a mercê da sorte. Ficou clara a primeira grande lição: nunca viajar sozinho de carro.

A segunda grande lição é a seguinte: não deixe de viajar com a família e amigos, mas se esforce (gastando um pouquinho mais…) para conseguir ir de avião até uma cidade mais próxima, fazendo o menor trecho possível de carro (alugado). Isso reduziria exponencialmente o risco de acidentes. No meu caso, por ter tomado um prejuízo de cerca de R$ 1.200,00 com os consertos, até sobraria dinheiro se eu tivesse feito esta opção.

Mas, no final das contas, ter podido ver meus filhos correndo pra lá e pra cá, soltando vapor pela boca, provocado pelo clima frio das montanhas e ter comemorado meu aniversário (12/junho) entre amigos da melhor qualidade, tomando um autêntico Malbec Crios, da Susana Balbo foi mais do que suficiente para a viagem ter valido a pena, superando em muito o desagradável incidente. Gostei de verdade da programação feita e agradeço muitíssimo por ter podido fazer esta viagem.

Quanto ao acidente, ainda poderemos ter um desdobramento disso, caso sigamos em frente com o propósito de acionarmos o Estado de Minas Gerais pelas estradas criminosas mantidas sob a sua responsabilidade. Quem sabe daqui a uns 40 anos, nossos netos não possam usufruir financeiramente desta nossa iniciativa, não é verdade..!?…rs…

Finalmente, a terceira e última grande lição tirada desta experiência nas estradas é tão-somente a ratificação daquilo que sempre achei e deverei continuar achando: viajar é ótimo, mas viajar de carro é mesmo uma merda! Não acha não!? Já conseguiu rasgar dois pneus em um único buraco? Rsss….

“Jogo Duro” é mesmo “duro” de se ver…

Monday, June 8th, 2009

globo_atirei_o_pau_no_gato“Jogo Duro”, o novo reality show criado (copiado, claro!) pela Globo, no horário logo após o programa fantástico, aos domingos, é uma apelação televisiva, em busca desesperada por audiência, da pior qualidade.

O apresentador, Paulo Vilhena, parece perdido. Acho que nem ele aguentou aquele “porre” que nos pareceu ser o programa. Um conjunto de nojeiras e situações de extremo mau gosto formam o “enredo” de fundo, enquanto um monte de gente corre, literalmente, atrás de dinheiro (em espécie) escondido no pobre e pouco criativo cenário. Além disso, eles incluem vários animais (cobras, ratos, lagartos, etc…) para dar um clima de pavor nos participantes. Um absurdo, pois nada me tira da cabeça que estes animais (os irracionais) sofrem com toda aquela confusão. Uma verdadeira lástima! rs….

Se a criação desta porcaria tivesse sido apresentada por outro canal de televisão, ainda ia lá. Mas, pela Globo que, apesar de vender muito lixo, sempre primou por um gosto mais refinado, é de admirar.

Cada dia que passa, naturalmente, tenho visto menos canais abertos de TV. “Jogo Duro” é só mais um dos inúmeros motivadores que tenho para agir desta forma.

O programa é espantosamente ruim. Se essa coisa medonha durar até o final deste ano, desfilo em praça pública com a camisa do Flamengo!…