Archive for the ‘Viagem’ Category

Noronha é outro planeta!

Thursday, January 26th, 2012

Acordei naquele dia meio triste, sem vontade de aproveitar a manhã que eu ainda tinha, antes de voar de volta à rotina. Um contrassenso para quem estava pela segunda vez num local tão paradisíaco e maravilhoso como a ilha de Fernando de Noronha (Distrito estadual de Pernambuco, ilha oceânica situada à 545 Km de Recife (PE), com superfície de aproximadamente 17 Km2). Tal qual ocorreu na primeira vez em Noronha, nesta segunda, não foi diferente: o sétimo e derradeiro dia de passeio é sempre vazio, tenso e melancólico…

Adoro viajar e embora já tenha tido a oportunidade de conhecer alguns pedaços de paraíso espalhados por aí, o mais bonito, mais aconchegante e misteriosamente adorável é Noronha. Se você gosta de praias belíssimas, boa comida, gente simples e hospitaleira, segurança (...é, eu disse segurança!...), liberdade, belezas naturais ímpares, fauna e flora riquíssimos e Sol quase todo o ano, sugiro que inclua Noronha em sua lista de “viagens dos sonhos”, mesmo antes de conhecer outros países. Aliás, se o motivo for Noronha, os “outros países” que esperem…e muito!

Se um dia estiver em Noronha, numa bela manhã de Sol e da areia caminhar, com os pés descalços, em direção ao mar da praia da Conceição, verá a esquerda o enorme e icônico “morro do pico” rompendo o azul do céu, logo à esquerda na paisagem de cartão postal. Nesta hora, você vai me entender quando digo que “Noronha é outro planeta“. Lá, você encontrará mais um bom tanto de cenas de “cair o queixo”, de parar a respiração de tão exuberantes. Vai constatar que uma semana apenas será um período bastante econômico para que se explore tudo que a ilha tem a oferecer.

 

Fiquei hospedado na Pousada do Vale e saí de lá com a impressão de que ainda que possam existir outras pousadas tão boas quanto esta, seria pouco provável que eu encontrasse uma com tanto calor humano e atenção de todos os seus colaboradores (Marcelo, Rafael, Danilo, Valen(Tina), Jéssica, “Dona Maria”, Solón e muitos outros). Pra começar, a pousada inova quando cria um momento de encontro de todos os seus hóspedes (em torno da cozinha, claro!), entre às 17 e 19:30 h, todos os dias, variando o delicioso cardápio do lanche da tarde (além de oferecer um ótimo café da manhã)! É o momento em que a grande maioria está chegando dos passeios e oportunidade rara de se conhecerem. Fizemos muitas amizades em função desta grande ideia. A propósito, toda quinta-feira, há mais de 20 anos, o Solón nos oferece o seu famoso peixe assado na folha de bananeira, que recebe, muito merecidamente, o nome de seu autor (Peixada do Solón). Um jantar realmente inesquecível!

Uma das mais importantes dicas que adotei, desde a primeira vez, foi alugar um “Buggy”. Noronha é uma ilha vulcânica extremamente acidentada e, por mais que você goste de andar, conhecê-la por completo, na filosofia de andarilho, talvez seja uma ideia mais desgastante e demorada do que saudável. Sem depender de taxi (pelas distâncias, as corridas variam de 10 a 30 reais), de carona (se pega e se da muita carona na ilha. É praxe!), de ônibus (passagem média a R$ 2,50) ou de outros favores, um Buggy no dia a dia de Noronha lhe trará a necessária liberdade para conhecer, quando e onde quiser, todas as inúmeras possibilidades de diversão e prazer proporcionadas naquele espetacular lugar (1 litro de gasolina custa aproximadamente 4 reais).

O aluguel de um Buggy costuma ter uma significativa variação de preço, oscilando entre 80 e 200 reais pela diária (depende da idade do veículo, de suas condições e da “ganância” de quem aluga, claro….hehehe!). É muito difícil você encontrar um Buggy em perfeitas condições em que TUDO funcione bem. Assim, ao alugar, o melhor seria desistir desta utopia urbana e tentar escolher o carro que tenha os “defeitos”  mais aceitáveis, afinal, melhor não funcionar um velocímetro do que um freio, não é verdade!? Portanto, teste bastante, pois lá é ladeira que não acaba mais.  Falando nisso, tive uma excelente experiência com o Buggy alugado na Valmir Locadora, a uma diária de 130 reais. Quem fez a entrega do veículo foi o próprio Valmir Barros (81 – 9708-2692) que, de sua simplicidade e simpatia, nos passou a certeza de que o “equipamento” era confiável, dizendo: “…pode castigar!…”. Confesso que castigamos com força aquele Buggy que, de sua vez, não nos decepcionou, tendo parado somente quando a gente queria.

Sem um Buggy seria quase impossível a visita a TODAS as praias. Todas são imperdíveis e merecem ser conhecidas, sem contar que além das inúmeras “vicinais” de barro e cascalho, andar pela MENOR rodovia do Brasil (BR-363), com vento no rosto e paisagem de cinema, não tem preço. As praias seguem a seguinte ordem:

–  lado voltado para o continente – praia do porto, praia da biboca, praia do cachorro, do meio, da Conceição, do Boldró, americano, bode, quixába, Cacimba do padre, baía dos porcos , do Sancho (pra mim, a melhor!), baía dos golfinhos.

– lado voltado para o oceano – praia de atalaia, praia de sueste, praia do leão

PROGRAMAÇÃO BÁSICA

A quantidade de atividades que se pode fazer em Noronha é infindável. Mas, se eu pudesse eleger algumas como “imperdíveis” seriam as seguintes:

1) Ver o por do Sol no Forte do Boldró

Trata-se de uma visão impactante pela beleza natural. Faz a gente pensar no que realmente importa na vida. Se você chegar à Noronha antes das 17 horas e se o céu estiver relativamente livre de nuvens, nem pense duas vezes: vá conferir este cenário inigualável para entrar logo no clima de festa local. Lá, você encontrará um bar bem equipado (Bar Fortinho do Boldró), para você poder aguardar a descida do Astro-rei, tomando uma Heineken long neck (estupidamente gelada e que custa uns 8 reais), acompanhado de alguns petiscos. Quando o Sol está quase sumindo, começa-se a ouvir o Bolero de Ravel (para ouvir, clique no player no rodapé deste post). É um momento cinematográfico, que se desfecha, ao fim do clássico, ao som de aplausos dos presentes, estarrecidos com o que acabaram de presenciar! Se você tiver ao lado da pessoa amada será ainda mais perfeito: beijo na boca e pura emoção. Viva a vida!

2) Mergulho

Se você é um mergulhador profissional ou amador, ou ainda, nem bem saiba nadar, fique sabendo que Noronha tem um mergulho especialmente escolhido para você. São inúmeros pontos ideais para mergulho espalhados ao longo da costa (mar de dentro e mar de fora), reservando um mundo submarino espetacular, seja para quem observa da superfície (com colete, para quem não flutua com segurança) ou próximo dela (Kit básico = máscara, snorkel e nadadeira) ou ainda em profundidades que chegam a 80 metros (tanque e equipamento de mergulho apropriado). Os mergulhos leves que fizemos e indicamos foram: Praia de Atalaia (coral de 70 cm de profundidade), praia do sancho, baía dos porcos, praia do cachorro, praia da conceição e praia do meio. Em todos estes mergulhos que citei, você só precisará do Kit básico de mergulho, que poderá ser alugado a uns R$ 15,00 por dia (Acho que vale mais a pena alugar lá, do que levar este trambolho na viagem…rs). O que a gente vê, fácil fácil nestes mergulhos: peixes diversos, tartarugas, polvos, tubarões (tigre, limão, lixa, etc…), xaréu, barracuda, parú e arraias além de uma fabulosa vegetação submarina e corais de várias espécies.

3) Trekking.

A ilha proporciona aos amantes do “trekking” diversas opções. Todas tem as suas dificuldades e peculiaridades específicas mas, para quem gosta de “ralar” todas valem muito a pena.

Trilha do Atalaia – Posso começar com a Trilha do Atalaia que é, digamos, uma das mais badaladas para o turista que vai para suar a camisa. Existem dois caminhos do Atalaia. Um é o mais curto, pode ser feito perfeitamente pela tarde e, considerado mais fácil (30 a 40 minutos). A outra trilha do “Atalaia” é a mais longa e muito mais difícil. Esta, pelas dificuldades, é desaconselhável que seja feita pela tarde. O ideal é começar o dia nela. Ambas as trilhas do Atalaia permitem agradáveis paradas para banho e mergulho. Aliás, O mergulho na “praia” do Atalaia é super interessante e, depende da sorte, você vai ver tubarões, peixes de todo o tipo, tartarugas, polvos, etc…(imperdível!).

Trilha do Capim-Açu – São 7 km de caminhada passando pelo Farol da Sapata, de onde se tem uma vista privilegiada do arquipélago. A caverna do Capim-Açú, com suas diversas lendas, merece ser visitada. O trekking termina na Praia do Leão, uma das praias mais bonitas e selvagens de Fernando de Noronha.

Trilha da Pontinha – É a travessia da Enseada de Caieira para a Praia de Atalaia. São quatro horas de caminhada passando por pequenas penínsulas de falésias como a Pontinha e a Ponta da Pedra Alta (mirante). A Praia de Atalaia, com suas piscinas naturais refrescantes é o local ideal para terminar esse passeio.

Trilha da Baía dos Golfinhos – Das trilhas, esta é a menor. Para os menos preguiçosos vale a pena acordar cedinho para ver o espetáculo que os golfinhos oferecem pela manhã.

Trilha Costa Esmeralda – Nessa trilha estão as praias mais visitadas da ilha. Ela começa na Baía do Sancho e vai até o Forte de São Pedro do Boldró. Este é um dos lugares prediletos dos turistas para ver o pôr-do-sol.

4) Bares e Restaurantes (os que eu já fui!)

Os bares e restaurantes da ilha fazem parte da atração turística, porque depois de se pegar uma praia paradisíaca ou participar de uma aventura típica de Noronha, nada mais natural que se render aos prazeres da carne, neste caso, saboreando um bom prato, petiscos, vinhos e drinks de toda a natureza. O custo da alimentação de bom nível na ilha se equivale ao de grandes centros. Comendo-se muito bem, regado a vinho, o casal vai pagar algo em torno de R$ 150 a R$ 200,00. Para escolhas mais espartanas mas quase tão boas quanto às primeiras, um prato bem servido para duas pessoas varia entre R$ 35 e R$ 40,00.

Restaurante Varandas – Excelente. Certeza de sucesso. Atendimento primoroso. O prato que eu indico é um gratinado de frutos do mar que serve bem a três pessoas (peça o número 29). Outro prato imperdível é o “frutos do mar do purê de abóbora (peça o número 18). Quando você chega lá e senta, o próprio garçom lhe diz, simpaticamente: “…a casa indica o número 29, sem menosprezar os demais pratos…”. Resultado, a gente volta lá outros dias e acaba pedindo outros pratos…rs.

Restaurante Xica da Silva – Bom gosto e qualidade – O lugar é super agradável e a varandinha do lado de fora te impede de querer ir embora. Pedimos um peixe grelahdo a “belle muniere” que, para quem pede uma entradinha, servirá duas pessoas tranquilamente.

Restaurante Ecologiku´s – Diz a lenda que foi o primeiro restaurante de Noronha. Local é simples mas, muito limpo e extremamente aconchegante. Lá você recebido pelos donos, Sr. Carlos e Srª Iraci (que é quem prepara as delícias…). A especialidade da casa é frutos do mar. Todos os pratos são bem servidos e bastante acessíveis no preço.

Restaurante Zé Maria – Nível excelente! O restaurante apresenta um ambiente muito aconchegante, com vista para a pedra principal da ilha. Tal qual é na pousada o bom gosto impera. Os pratos são sofisticados e extremamente bem feitos. O preço não é dos mais baixos mas, asseguro, vale a pena!

Restaurante Mergulhão – Com vista privilegiada para o porto, oferece um por do sol sensacional. Pratos elaborados, de características gourmet imperdíveis.

Bar e restaurante do Cachorro – Do alto, possuindo uma vista linda para a praia do cachorro, o bar oferece petiscos de frutos do mar extremamente bem feitos e uma cerveja estupidamente gelada. Para o final de tarde é o ideal. Por estas bandas (mas, no bar da praia do cachorro) costuma-se deparar com uma figura exótica e simpática, com cabelo moicano e coleira de cachorro. Trata-se do “Cachorrão” um dos pioneiros daquele canto.

Duda Rei Bar – Na praia da Conceição. Abastece com a maior qualidade (petiscos e drinks) aqueles que estão curtindo a praia da Conceição.

5) Peculiaridades, curiosidades e mazelas da ilha

Noronha é uma ilha composta por 4 mil habitantes. Existem cerca de 1.000 (mil) veículos motorizados circulando pelo local. Ano após ano, o número de veículos aumenta e não duvidarei se um dia alguém reclamar de engarrafamento naquele local. Parecem estranhos os critérios de liberação de veículo para entrada e uso em Noronha. Claro que deve mexer com muitos interesses e deve representar o enriquecimento de algumas pouquíssimas pessoas.

Uma atipicidade local é que a mulheres grávidas de 7 (sete) meses devem sair da ilha. Pode-se dizer que SÃO OBRIGADAS a se retirarem da ilha e se dirigem ao continente para terem seus filhos, evitando com isso o nascimento de “nativos”. Em breve, a continuar esta política esdrúxula de exclusão (sou capaz de dizer que é inconstitucional, inclusive)., não terão mais nativos naquele local. Parece óbvio que as motivações para que se dê esta segregação é de ordem econômica. Algum direito (a terras, principalmente) que os nativos têm e que o Governo de Pernambuco parece querer, a todo custo, impedir que se realize.

A ilha tem animais típicos e, ao que parece, endêmicos. Os mais comuns e que poderão ser vistos quase todo o tempo são a “MABÚIA” (lagartixa preta) e o “MOCÓ” (espécie de preá). Também podem ser vistos lagartos grandes, muito bonitos que são conhecidos como “TEJÚ”.

Sou um apaixonado por Fernando de Noronha. Exatamente por isso observo que se contrapõe às belezas naturais inigualáveis os aparentes descuidos e desmandos da administração local. A ilha parece, em alguns momentos, abandonada! O povo local não disfarça a insatisfação com o administrador que, para muitos, usa o cargo para fomentar “negócios” (para ele e para seus “amigos”) na ilha mas, não gerencia adequadamente as suas necessidades.

Quando você vai mais de uma vez à Noronha e fica algum tempo lá, acaba conversando com as pessoas que lá residem e consegue perceber um sentimento totalmente diferente daquele que o turista (brasileiro ou estrangeiro) consegue enxergar. Lá, tem pessoas passando por sérias dificuldades de sobrevivência, por incrível que possa parecer. Vale a pena dar uma olhada no post :  Noronha: o paraíso às avessas.

Cabe ao Governo Federal e ao Governo de Pernambuco escolher mais criteriosamente o administrador daquele local, reservando mais verbas para o desenvolvimento e conservação da região. É quase unânime a afirmativa das pessoas de lá, de que quando Noronha estava sob os auspícios do EXÉRCITO BRASILEIRO, os residentes eram mais felizes, mais bem atendidos e a ilha parecia realmente bem cuidada como é de se esperar um tratamento público reservado a um lugar como este, mundialmente conhecido e declarado patrimônio da humanidade.

As dúvidas do “até breve”

Quem gosta de Noronha como eu, não se despede, simplesmente, da ilha. Na verdade, pronuncia um “até breve”, de preferência com a viagem de volta agendada.

Mas, sempre fica uma dúvida e uma pergunta que parece não querer calar: até quando teremos “Fernando de Noronha”? Não é difícil perceber que a convivência HOMEM x NATUREZA, principalmente lá, torna-se a cada dia algo mais insustentável. São os carros em excesso, as pessoas, o lixo…..enfim, muitas variáveis que precisam ser controladas sob pena de destruirmos um belíssimo paraíso natural. As soluções para questões extremamente complexas como estas são muitas e, quase todas, bastante antipáticas ao turismo, tais como limitar consideravelmente a presença de não residentes, aumentar os preços de tudo, de forma a que tenhamos este cruel (mas, necessário) filtro de visitação, aumentar a fiscalização, etc, etc, etc…

Enquanto isso não acontece e do alto do mais puro e elevado espírito ecológico de conservação e manutenção, nos resta contar os dias para o retorno àquele paraíso.

Até breve!

HSF

 

Dicas de viagem do Paulo Coelho

Monday, July 19th, 2010

Visitando o Blog do Paulo Coelho, vi um interessante post no qual ele enaltece a viagem como uma importante forma de aprendizado (concordo!) e terminou por dar preciosas dicas de viagem. Achei que valia a pena reproduzí-las aqui, tomando a liberdade de ressalvar somente aquela que trata dos “museus” (a primeira dica). Quanto a todas as demais concordo em gênero, número e grau.

HSF

Desde de muito jovem descobri que a viagem era, para mim, a melhor maneira de aprender. Continuo até hoje com esta alma de peregrino, e decidi relatar neste blog algumas das lições que aprendi, esperando que possam ser úteis a outros peregrinos como eu.

1] Evite os museus. O conselho pode parecer absudo, mas vamos refletir um pouco juntos: se voce está numa cidade estrangeira, não é muito mais interessante ir em busca do presente que do passado? Acontece que as pessoas sentem-se obrigadas a ir a museus, porque aprenderam desde pequeninas que viajar é buscar este tipo de cultura. É claro que museus são importantes, mas exigem tempo e objetividade – voce precisa saber o que deseja ver ali, ou vai sair com a impressão de que viu uma porção de coisas fundamentais para a sua vida, mas não se lembra quais são.

2] Frequente os bares.
Ali, ao contrário dos museus, a vida da cidade se manifesta. Bares não são discotecas, mas lugares onde o povo vai, toma algo, pensa no tempo, e está sempre disposto a uma conversa. Compre um jornal e deixe-se ficar contemplando o entra-e-sai. Se alguém puxar assunto, por mais bobo que seja, engate a conversa: não se pode julgar a beleza de um caminho olhando apenas sua porta.

3] Esteja disponível. O melhor guia de turismo é alguém que mora no lugar, conhece tudo, tem orgulho de sua cidade, mas não trabalha em uma agência. Saia pela rua, escolha a pessoa com quem deseja conversar, e peça informações (onde fica tal catedral? Onde estão os Correios?) Se nao der resultado, tente outra – garanto que no final do dia irá encontrar uma excelente companhia.

4] Procure viajar sózinho, ou – ser for casado – com seu conjuge.
Vai dar mais trabalho, ninguém vai estar cuidando de voce(s), mas só desta maneira poderá realmente sair do seu país. As viagens em grupo são uma maneira disfarçada de estar numa terra estrangeira, mas falando a sua língua natal, obedecendo o que manda o chefe do rebanho, preocupando-se mais com as fofocas do grupo do que com o lugar que se está visitando.

5] Não compare
. Não compare nada – nem preços, nem limpeza, nem qualidade de vida, nem meio de transportes, nada! Voce não está viajando para provar que vive melhor que os outros – sua procura, na verdade, é saber como os outros vivem, o que podem ensinar, como se enfrentam com a realidade e com o extraordinário da vida.

6] Entenda que todo mundo lhe entende
. Mesmo que nao fale a lingua, nao tenha medo: já estive em muitos lugares onde nao havia maneira de me comunicar através de palavras, e terminei sempre encontrando apoio, orientação, sugestões importantes, e até mesmo namoradas. Algumas pessoas acham que, se viajarem sózihas, vão sair na rua e se perder para sempre. Basta ter o cartão do hotel no bolso, e – numa situação estrema – tomar um táxi e mostra-lo ao motorista.

7] Não compre muito. Gaste seu dinheiro com coisas que nao vai precisar carregar: boas peças de teatro, restaurantes, passeios. Hoje em dia, com o mercado global e a Internet, voce pode ter tudo sem precisar pagar excesso de peso.

8] Não tente ver o mundo em um mes. Mais vale ficar numa cidade quatro a cinco dias, que visitar cinco cidades em uma semana. Uma cidade é uma mulher caprichosa, precisa de tempo para ser seduzida e mostrar-se completamente.

9] Uma viagem é uma aventura.
Henry Miller dizia que é muito mais importante descobrir uma igreja que ninguém ouviu falar, que ir a Roma e sentir-se obrigado a visitar a Capela Sixtina (sic), com duzentos mil turistas gritando nos seus ouvidos. Vá à capela Sixtina (sic), mas deixe-se perder pelas ruas, andar pelos becos, sentir a liberdade de estar procurando algo que não sabe o que é, mas que – com toda certeza – irá encontrar e mudará a sua vida.