Posts Tagged ‘corredor’

Paradoxo da corrida

Friday, August 21st, 2015

O despertador toca às 05:59 da manhã de um sábado chuvoso e eu hesito em levantar diante dos fortes argumentos que corroboram a opção de ficar no quentinho da cama a sair correndo feito louco, na manhã fria, úmida e solitária que me reserva a paisagem de minha janela.

Convenhamos, embora os especialistas cansem de dizer que o nosso corpo foi feito para o constante movimento, as nossas células tentam contradizê-los, deixando claro que a prática regular de exercícios vai de encontro a natureza humana.

Também pudera! Pura herança genética. Em tempos mais remotos seria inconcebível e insano imaginar um exibido homo sapiens sair para uma corridinha matinal de 10 Km, antes do desjejum de javali que o aguardava na fogueira. O normal mesmo seria esperar que ele se preservasse ao máximo para momentos de grande estresse: fugir de predadores ou correr atrás de comida, ambas ações necessárias para perpetuar a espécie.

Na verdade, o corpo humano se moldou, ao longo dos tempos, para ser esta espetacular máquina de otimização de energia que é hoje. Se ficarmos ligados no “automático” o que mais nos parecerá natural será comer exageradamente e afundar no sofá, na frente da TV, economizando energia à espera de algum evento que nos exigiria o máximo esforço.

Só que, como um paradoxo, com alguns de nós, as coisas não funcionam bem assim. Quando lembro da sensação de liberdade que sinto quando estou correndo, dos cheiros e das imagens colecionadas pelo caminho, pulo da cama e esqueço a preguiça! É de se perguntar: será que a “estranha” turma da corrida estaria imune à perversa lógica do “não movimento”? Parece que, de certa forma, sim. Tudo o mais passa a ser secundário quando o assunto é correr!

Costumo brincar e dizer que existem dois grupos bem definidos: aqueles que amam correr e aqueles que não sabem correr. Isso, porque quem começa a correr sem que esteja minimamente preparado para isso, sente desconforto e desprazer, além de se expor a lesões e outros males. Vai logo dizer: “…não gosto de correr!…”.

Infelizmente, tem coisa que não se encontra na prateleira de uma loja. O condicionamento para correr é uma delas. Além disso, é muito difícil explicar com palavras a sensação experimentada por quem corre. O fato é que, mesmo saindo indisposto para correr, bastam alguns minutos de corrida para que as endorfinas façam o trabalho de alegrar e encher de disposição o seu dia.

Mas, a corrida é um esporte que, apesar de democrático, exige planejamento e respeito às etapas pelas quais deverá passar o seu corpo, em preparação. A orientação permanente de especialistas (médicos e preparadores físicos) também é indicada para que o futuro corredor dê passos seguros em direção à sua nova vida. Prudência e perseverança são ingredientes indispensáveis nesta fase, sem esquecer de que quem pretende correr, deve sempre começar andando.

Vivemos em um ambiente cada vez mais estressante e competitivo. Estatísticas nos têm evidenciado que a sociedade moderna tem sido acometida por um substancial aumento de doenças relacionadas ao sedentarismo e à obesidade que somente o exercício regular e a ingesta alimentar qualificada poderia evitar.

Nada mais oportuno do que a escolha de um meio de vida em que se possa se manter saudável e em forma, sem regimes da moda ou exercícios de final de semana. E, por ser o esporte adequado para que se atinjam tais objetivos, a corrida tem se popularizado de forma impressionante em todo o mundo.

O meu desejo é que, cada vez mais corredores “invadam” nossas ruas, alegrando nossas cidades. Quero ver gente mais feliz e saudável, contrariando os alarmantes números de saúde pública, provocados pelos maus hábitos de vida.

O mais difícil talvez seja dar o primeiro passo em direção à mudança. Mas, feito isso, quando menos esperarmos, estaremos brigando pelo tênis de corrida e, não, pelo controle remoto.

 

* Haroldo Santos Filho é advogado e contador.

** Artigo de opinião publicado na Revista “EKLÉTICA”, ano I, Nº 2, AGOSTO 2015 – Coluna “Atirei o pau no gato”.

(revistaekletica@gmail.com)

atirei_pau_gato_Revista Eklética n.02 - Agosto 2015

Correr por toda a vida

Thursday, June 11th, 2015

Fauja Old Runner (Jeff J Mitchell / Getty Images)(Por Nuno Cobra)

 

O trabalho e a preocupação com o corpo são por demais recentes. Vou me usar como exemplo: quando eu corria na década de 1950 somente o fazia nas beiradas do rio Pardo e nos pastos daquela cidade. Para mim, a atividade era uma ferramenta em busca de prazer — e sem nenhuma pressão ou cobrança. Hoje a corrida deixou de ser uma atividade prazerosa e passou a ser uma necessidade vital para o corpo. Tornou-se uma verdadeira obrigação de toda pessoa para com ela mesma e uma forma de elevar seu nível de saúde. Passou a ser vista, também, como uma maneira de adquirir uma vida repleta de energia, vitalidade, bom humor e satisfação de viver.

Muitos esquecem, porém, que, para que isso aconteça, é necessário fazer da corrida algo agradável e sensato. Uma pessoa que se expõe a correr maratonas seguidas e está sempre pressionada a conquistar um tempo melhor é insensata e promove em seu corpo uma verdadeira agressão. Não podemos esquecer que corremos hoje para correr amanhã e sempre. De nada adianta correr por sete, oito ou até 12 anos, se chegarmos aos 50 quebrados e com lesões — e sem a possibilidade de exercer essa nossa importante paixão. Correr dessa forma é a coisa mais estúpida que você pode fazer com o seu corpo. E, em vez de ajudar o seu organismo, somente irá agredi-lo.

A corrida é, sem dúvida, a melhor e a mais natural forma de elevar a sua saúde, de lhe dar alegria e proporcionar uma vida melhor. Mas é necessário autocontrole para não cair nessa maluquice de cobranças. Preocupe-se menos com o tempo que faz nas competições, mesmo porque este será sempre o resultado do nível de preparo em que nos encontramos.

Precisamos, portanto, aprender a correr sem pressão. Se ninguém está nos cobrando, por que, então, fazer isso com nós mesmos? Não somos atletas profissionais e não devemos satisfação a ninguém. Devemos correr para sentir prazer, nada mais. Melhor do que um recorde é poder conquistar um corpo incrível que nunca seja lesado por nada para que, quando estivermos com a idade bem avançada, possamos continuar a praticar essa atividade sem nada que nos impeça. Aos 60, 70, 80 ou bem mais, a corrida vai continuar a nos dar a mesma sensação fantástica, pois estaremos fazendo coisas maravilhosas ao nosso corpo, espírito e mente. Se pudermos correr neste fantástico momento de nossa vida, justamente no qual me encontro agora, aos 76 anos, teremos uma vida muito especial, cheia de alegria e com aquela exuberância de vitalidade.

Encare a corrida, portanto, como um instrumento que fará com que você chegue à idade avançada sem uma coleção de doenças. Eu, por exemplo, corro há bem mais de 60 anos, e por ter feito isso sempre com uma frequência cardíaca baixa e periodicidade correta, dando oportunidade ao descanso e poupando minhas articulações, até hoje me sinto exuberante, com muita energia e em plena atividade profissional.

Lembre-se, querido leitor, que o que marca em nossa vida não é o melhor tempo, mas sim a conquista da melhor corrida dentro daquele tempo de que dispomos em cada competição. O prazer é fazer novas amizades, participar da competição e ter espírito cooperativo com nossos amigos corredores. É isso o que nos move e nos impulsiona fazer por toda a vida.

(Coluna publicada na Revista O2, edição #144 – maio de 2015)

Link Original AQUI.

Um par de tênis e nada mais (Marcio Caparica)

Friday, September 28th, 2012

 Um par de tênis e nada mais

Nosso repórter viajou aos Estados Unidos e tirou a roupa para participar de uma prova pelado. Nada de pudor, número de peito ou frequencímetro. Só muito balanço e diversão em uma corrida na qual short e camiseta não têm vez. Dispa-se dos preconceitos e saiba tudo que acontece quando se corre usando apenas um par de tênis

Por Marcio Caparica | Fotos Kirill Tokarev | Ilustrações Thales Molina

Redação engajada, essa da RUNNER’S WORLD Brasil. A turma costuma viver na pele as reportagens que publica na revista. A editora Patricia Julianelli fez três meses de tratamento para melhorar sua postura e contou para os leitores o efeito do experimento em sua mecânica de corrida. O diretor Sérgio Xavier descobre as corridas mais lindas do mundo vestindo a camisa da revista. O repórter Bruno Favoretto, que perdeu o movimento das pernas em um acidente há 12 anos, começou a correr por meio de um projeto da RUNNER’S e no ano passado completou a Maratona de Nova York em cima de sua cadeira de rodas.

Até que um dia a editora-assistente Julia Zanolli me perguntou: “Marcio, você não quer aproveitar sua viagem para os Estados Unidos e participar de uma corrida pelada para a gente?” Eu planejava cruzar a América de bicicleta e topei o desafio na hora. Essa pauta circula na redação desde o lançamento da revista, esperando a oportunidade certa e um repórter despudorado o suficiente para levar a ideia adiante. Encontramos uma prova que coincidia com a data da minha viagem — e eu não tenho qualquer problema em correr sem roupa. Tudo convergiu para fazer esta matéria acontecer. No meio de tanta gente dedicada, como dizer não?

Como viemos ao mundo

A tarde estava ensolarada quando peguei um táxi até o local da prova, próximo à cidadezinha de Palmerton, na Pensilvânia (EUA). O motorista, ainda no meio do caminho, comentou: “Sabe que tem um resort onde todo mundo fica pelado nessa região aonde você está indo?” “Sei”, respondi. “E é para lá mesmo que nós vamos.” O rapaz arregalou os olhos e dirigiu visivelmente tenso pelos 20 minutos seguintes, até chegarmos ao nosso destino.

A prova escolhida foi a Bouncing Buns (“bumbuns balançantes”, em tradução livre), uma corrida de 7 km em trilha que acontece anualmente dentro do resort nudista Sunny Rest. Em 2010, na primeira edição da prova, foram 20 participantes. Dois anos depois, já éramos 161 corredores. Para não ser pego de calças curtas no dia da corrida, decidi chegar ao hotel um dia antes, a fim de garantir que estaria lá na manhã do evento. Quando o táxi chegou ao resort, pelados e peladas de todos os tipos e tamanhos curtiam o dia de calor ao redor da piscina. O motorista não sabia para onde olhar. Aceitou o pagamento com pressa, me deu o recibo já pisando no acelerador e foi embora sem olhar pelo retrovisor.

Fiz check-in ao lado de um casal que, sem roupa, tranquilamente comprava um refrigerante. O resort é grande, com extensos gramados, vários bosques, muitos trailers e nenhum pudor. Fui me instalar na área de camping e 20 minutos depois, com colchão inflável, saco de dormir e mochila guardados dentro da minha barraca para uma pessoa, dei adeus às vestimentas. A primeira coisa que fiz foi passar protetor solar por todo o corpo. Com uma toalha no braço (essencial para quem vai ficar sentando pelado por aí), óculos escuros na cara e chinelos nos pés, fui para a piscina aproveitar o resto da tarde. Não senti vergonha ao ficar nu, só um estranhamento por estar sem roupa fazendo coisas que normalmente costumo fazer vestido.

Depois de entrar no clima “menos é mais”, nadei, tomei um pouco de sol e comi um hambúrguer no bar. Ao meu lado, um coroa nu como veio ao mundo garantia a música ao vivo, dando novo significado para o termo “um banquinho, um violão”. No começo da noite, juntei-me a um grupo de dez ou 12 naturistas que já estavam havia algumas horas na jacuzzi. Lá, conheci um rapaz que também tinha ido ao resort para participar da corrida e, melhor ainda, já tinha feito a prova antes. “Você tem algum conselho para dar?”, perguntei. “Sim”, ele respondeu, sério. “Cuidado pra não cair.”

Por que correr pelado

Os naturistas são um grupo de pessoas que acreditam que fazer as coisas pelado permite que você tenha um contato mais próximo com a natureza. Então eles nadam pelados, jogam vôlei pelados, comem pelados, cantam pelados, jogam dominó pelados, veem filmes pelados, jogam tênis pelados, dançam na discoteca pelados… Então, por que não correr pelado? A quantidade de atividades que o resort oferece para você fazer sem roupa é impressionante. Só não pode encostar um no outro. Por mais que o senso comum pense o contrário, entre os naturistas a nudez não é encarada como uma coisa sexual.

As naked runs, ou corridas sem roupa, são realizadas em várias partes do mundo: lugares como Austrália, Inglaterra, Canadá, Finlândia e Espanha. Mas a grande maioria delas acontece nos Estados Unidos, onde esse tipo de prova já existe há muitos anos. Normalmente são percursos curtos e não é obrigatório correr pelado, embora a maioria dos atletas deixe shorts e camisetas de lado para participar. Segundo a Federação Brasileira de Naturismo, não existe nenhum evento desse tipo no país.

Número de pernas

O dia da prova amanheceu lindo e ensolarado. Era hora de testar se para correr você só precisa de um par de tênis — e nada mais. Sem roupa já há 15 horas, calcei meu pisante e fui me preparar para a corrida. Para começar, passei mais protetor solar, principalmente nas áreas tradicionalmente menos expostas ao sol. Depois, muito repelente contra insetos. Com tanta natureza ao redor, não queria acabar cheio de picadas, muito menos em regiões mais sensíveis. Para finalizar, vaselina entre as coxas para evitar assaduras. Pensei bem e resolvi aplicar porções generosas em todas as outras dobras das pernas para evitar o atrito. Depois de colocar os óculos escuros, percebi que não tinha onde prender o MP3, então fui sem música mesmo.

A inscrição para a prova começou às 9 da manhã, 1 hora antes da largada. Assim que dei meu nome e paguei a taxa, fui reconhecido como “aquele repórter brasileiro da RUNNER’S que está ligando para cá há semanas”. Virei uma minicelebridade “Então você vai correr sem nada, né?”, perguntou Ron Horn, o organizador do evento, rindo. Com uma caneta, ele escreveu na minha coxa esquerda o número de inscrição. Afinal, não daria para prender o número de peito em lugar nenhum.

Espalhados pelos gramados ao redor da concentração para a largada, dezenas de participantes se aqueciam para a prova. Alguns homens usavam suporte atlético (uma espécie de cueca mais cavada que ajuda a manter as coisas no lugar), algumas mulheres vestiam tops, mas a imensa maioria dos atletas estava completamente nua, não usavam nem a faixa de peito do frequencímetro. Corredores de todas as idades, quase todos homens, faziam tiros, conversavam entre si e se alongavam. Ah, o alongamento. Se você já ficou constrangido ao se inclinar para esticar as pernas, imagine o que é tentar alcançar os dedos dos pés sem nada para cobrir as nádegas.

Às 10 da manhã, debaixo de um sol ardido, todos os corredores se aglomeraram em frente à linha de partida, tentando ao máximo manter uma distância respeitosa uns dos outros. Mr. Horn fez um pequeno discurso sobre o recorde de participantes naquele ano, deu instruções sobre o percurso e anunciou a todos a presença do repórter da RW. Nada de tiro para anunciar a largada: em uma corrida como essa, o sinal para começar a correr foi dado quando o organizador abaixou as calças e disparou o cronômetro oficial. Lá se foram os bouncing buns.

Balança mas não cai

Inevitavelmente, a primeira coisa que você repara em uma prova sem roupa são as bundas. Dezenas e dezenas de bundas sacolejando à sua frente. Bundas grandes, bundas pequenas, bundas lisas, bundas peludas, bundas moles, bundas duras, bundas bronzeadas, bundas brancas, bundas com celulite, bundas sem bunda. Uma fileira de bundas a perder de vista. É tanta bunda que você às vezes se esquece do esforço que está fazendo para correr. Eventualmente, você é ultrapassado por uma mulher, mas a presença delas nesse tipo de prova é menor. Então você vê peitos, peitinhos e peitões, empinados e caídos, balançando a cada passada.

O trajeto era uma pirambeira. Os 7 km do percurso serpenteavam por todo o resort, começando no asfalto, mas logo subindo ladeira acima para entrar nos bosques. Aí o conselho do meu colega de jacuzzi fez sentido. Para este corredor urbano, acostumado com as poucas surpresas do asfalto, correr pelos desníveis de uma trilha entre árvores chega a ser uma experiência tão inovadora quanto correr sem roupa. Foram quase 4 km mato adentro. Cada tropeço numa raiz da trilha me fazia suplicar em silêncio para não rolar ladeira abaixo e me ralar dos pés à cabeça — literalmente.

Os quilômetros finais eram asfaltados, então a principal preocupação passou a ser o calor. O suor escorre e pinga livremente corpo abaixo, sem um elástico de short para detê-lo no meio do caminho ou uma peça íntima que o absorva. Não chega a ser desconfortável, mas é algo inédito. Peço perdão aos leitores e leitoras mais sensíveis para descrever outra sensação inédita. Normalmente, um homem se esquece do amigão lá embaixo durante a corrida — ele fica guardado, preso e protegido. Já numa corrida sem roupa, a história é outra. Nosso companheiro, livre e solto, se faz lembrar o tempo todo, saltando da esquerda para a direita nos trechos planos, pulando para cima e para baixo nas subidas e descidas. Doloroso? Não. Inesquecível, com certeza. Sempre entre as coxas, as bolas não chegam a ser um problema, mas agradeci o tempo todo pela vaselina extra que tive o bom-senso de aplicar.

Prêmios sem-vergonha

Ao fim de 43 minutos de corrida, cruzei a linha de chegada. Sem chip nem qualquer outro tipo de medição eletrônica, os organizadores conferiam os números nas coxas de quem chegava e gritavam o tempo para que outra pessoa anotasse. No resultado oficial do evento, apenas os nomes dos participantes, nada de sobrenomes. Depois da dispersão, os atletas trocavam impressões sobre a prova, tomavam isotônico, comiam frutas e comparavam resultados. Tudo muito parecido com uma prova de corrida tradicional, exceto pelo fato de que todo mundo estava pelado. O barato da serotonina, a satisfação de sentir o sol batendo no corpo todo, a alegria por ter completado uma prova tão divertida e o alívio de terminar a corrida ileso. Todas essas sensações compunham o clima festivo do pós-prova. Como a corrida era pequena, posso afirmar que todas aquelas pessoas estavam felizes, alegres por terem cruzado a linha de chegada e agora estarem compartilhando a experiência com outras pessoas com o mesmo alto astral.

Algumas horas mais tarde, na beira da piscina do hotel, os atletas se reuniram para a entrega dos prêmios, ainda com os números pintados nas coxas. Microfone em uma mão, resultados na outra, chinelos nos pés e nada mais pelo corpo, o organizador Ron Horn entregava troféus — um bebezinho engatinhando, pelado — para os participantes mais velozes de cada faixa etária. E previa, animado, que no ano seguinte eles haveriam de chegar a 200 competidores. Contente, agradeceu minha presença e me convidou a retornar no ano seguinte, algo que, sinceramente, eu adoraria fazer. De lembrança, ironia das ironias, ganhei uma camiseta da prova.

link original: aqui

Malditas e amadas muletas

Tuesday, May 15th, 2012

Tinha acabado de ser apresentado pelo mestre de cerimônia, como o palestrante da noite em um encontro profissional que ocorria em Macapá(AP). Antes de me dirigir ao palco e iniciar a exposição dei aquela conferida no bolso para ver se achava um crucifixo que sempre portava em momentos assim. Tomei um susto ao perceber que aquele meu “amuleto da segurança” não estava ali comigo. Apesar da inicial gaguejada, embaralhada nas idéias e um suor frio que me acometeu, precisei de alguns minutos para cair na real de que a palestra tinha de acontecer, com ou sem meu crucifixo. No final, deu tudo certo, mas não pude deixar de perceber como eu estava “dependente” daquele objeto.

Dia desses planejava um treino de corrida bem interessante para realizar no dia seguinte. Seria um trotinho leve e despretensioso, de uns 10 a 12 Km, com uma freqüência cardíaca confortável, ou seja, a uns 60% da máxima. Amanheceu um dia lindo! Peguei meus inseparáveis equipamentos de corrida, o monitor cardíaco e o ipod, e fui para a rua.

Alonguei e iniciei o treino. Mas, com menos de 10 minutos, percebi que o meu monitor (relógio) não marcava mais minha FC, nem velocidade. Parou! Frustrante! Continuei meio sem graça, mas continuei. E, antes mesmo de chegar aos 3 Km, fez-se um desolador silêncio nos meus ouvidos, bem no meio do “runnin’ with the devil”, do Van Halen (ouça a música no player abaixo do post). O ipod acusava a falta de bateria. Como pude ser tão negligente?!….rs

Pronto! Tal qual havia ocorrido naquela palestra em Macapá (AP), me vi desprovido de meus amuletos, com os quais havia me acostumado a curtir a corrida, durante muito tempo. Era o manco sem as suas muletas. O que fazer? Continuar a corrida como se nada tivesse ocorrido ou parar? Decidi continuar, mas com uma tremenda má vontade e com a certeza de que nem chegaria ao fim. Precisei de uns 5 Km para, enfim, voltar a ter prazer na corrida, ouvindo a minha respiração, os carros passando, as pessoas falando e o cachorro latindo. Voltei a me integrar ao ambiente e a corrida fluiu novamente.

Não vou negar que adoro correr ouvindo música e monitorando minha FC, minha velocidade e a distância já percorrida. É um vício, além de ser ótima esta sensação de controle. Mas, por outro lado, a experiência de se despir das “bengalas” e partir para uma corrida “limpo”, vale muito a pena. Agora, tenho procurado intercalar corridas em que pratico “equipado”, como antes, e outras em que corro “puro”, sem artificialismos tecnológicos que aumentam a minha sensação de poder. No fundo é tudo bobagem. Se você já se preparou adequadamente, não precisa de nada disso para sentir prazer em correr.

Tenho reforçado ainda mais a minha percepção de que os “minimalistas” tendem a ser mais felizes do que aqueles que complicam coisas que, em essência, deveriam ser muito simples, como correr, por exemplo. Mas, perceber isso já é uma grande vitória. É preciso vigilância permanente para conseguirmos desassociar a sensação de bem estar com a necessidade (falsa) de se ter. A mudança é simples, mas não é nada fácil.

Pode ser que demore, mas eu ainda chego lá. Eu quero! E, quando isso ocorrer, vou levantar da cama num belo dia, colocar uma sunga (somente uma sunga!) e correr pela areia da praia até cansar, feito o “Forrest Gump” daquela linda fábula contada no cinema. Para um observador externo pode ser até que pareça faltar algo. Mas eu terei a certeza de que estarei completo. Livre das muletas. Pleno e feliz!…

HSF

* Haroldo Santos Filho é advogado, contador, engenheiro, mestre em administração financeira (UnB) e sócio da Haroldo Santos Consultoria Empresarial.